"...nem todos os dias são dias de olhar feliz. Estes dias raramente nos são oferecidos (daí o seu mistério) e quase sempre têm de ser construídos, desenhados, conquistados. Nesta procura do sentir a alma plena dos reflexos doces destes dias de olhar feliz, a vida, a nossa vida, mistura dor e alegria, sofrimento e felicidade, desilusão e sonho, amargura e paixão, choro e riso, ódio e amor. Assim, quando nessa busca constante O vento te rugir e a chuva cair em massa, quando o céu te fugir e sentires o teu amor em desgraça, quando o arco-íris te mentir e a sua recordação ficar laça, lembra-tedo brilho divino que vislumbraste nesta promessa de amor eterno….Lembra-te Que o vento, a chuva, o cinzento do céu, o arco-íris, as tuas lágrimas, as tuas duvidas, todos eles fazem parte do mistério da vida. Lembra-te Como Pessoa, que: “O mistério das cousas? Sei lá o que é o mistério. Único mistério é haver quem pense no mistério.”Aí ergue os teus olhos para o firmamento e procura devagar, em paz, o caminho de regresso ao vosso arco-íris de mãos dadas com o brilho intenso e mágico (quase irreal) da mais nova de todas as estrelas do céu..." LC21/06/97

18/01/2008

Palmas

18/01/2008
Para a mãe da Matilde (mãe da criança que vive em estado vegetativo, programa "Sentença de Vida", que passou ontem à noite na SIC)
Pela coragem testemunhada, pelo amor que aquela mãe sente pela sua filha, pela lucidez que mantém perante a rasteira cruel que a vida lhe pregou, a ela e à sua querida Matilde.
Tocou-me especialmente, quando ela disse que não ama menos agora a sua filha, do que antes do acidente.
A Alexandra, ontem admitiu aquilo que muitos sentem e que quase sempre calam, a ambiguidade de sentimentos, o querer que o sofrimento acabe, não por desamor mas sim por amor.
Esta grande mulher conseguiu dizer o que muitos calam, sem vergonha, sem culpa sem hipocrisias. Ela aceita-se como humana e aceita que o amor e o sofrimento infelizmente caminham muitas vezes lado a lado.
Ela compreende que o que sente não faz dela uma pessoa pior, pelo contrário, faz dela um ser incomparavelmente mais completo que a maioria de nos.
A minhas homenagens a esta mãe e o meu carinho para a Matilde que a vida impediu de viver plenamente.
Parabéns também à SIC pelo programa.
E já agora BFS.

5 diga lá:

Lita disse...

Também vi a reportagem e concordo com cada palavra tua.
Podem parecer cruéis as palavras de uma mãe que, se tivesse opção, escolheria pôr fim ao sofrimento de uma filha, mas não será mais cruel ainda ver aquela filha sofrer todos os dias? Num estado em que nada neste mundo lhe é famíliar? Nem mesmo os próprios pais?
Isto não é viver!
Viver não é apenas ter um coração a bater, viver é sentir, cheirar, ser feliz!

Tomara nós nunca passarmos por um dilema destes, porque deve de ser uma dor insuportável.

Um beijinho,
Lita

Van Dog disse...

Não vi. Mas pelo que dizes deve ser uma grande mulher.

Anónimo disse...

Não vi a reportagem!!
Mas percebi o seu conteúdo neste post, a mãe da Matilde não deixa de ser uma mulher com muita coragem em revelar o que sente mesmo sabendo que iria chocar certas mentalidades!!!

Bjs
Carla

tixa disse...

Tb vi a reportagem e arrepiei-me com aquela mãe coragem!!!! tomos minhas as tuas palavras...palmas para uma mãe que tem coragem de pôr o amor em primeiro lugar.
Um bj enorme

Susana Pina disse...

Eu aplaudo de pé esta mãe coragem.
Ainda nós dizemos que passamos por tanto sofrimento...sinto-me muito pequenina perante esta mãe.
Um bj enorme para ti minha amiga de coração grande
susana

 
Design by Pocket