"...nem todos os dias são dias de olhar feliz. Estes dias raramente nos são oferecidos (daí o seu mistério) e quase sempre têm de ser construídos, desenhados, conquistados. Nesta procura do sentir a alma plena dos reflexos doces destes dias de olhar feliz, a vida, a nossa vida, mistura dor e alegria, sofrimento e felicidade, desilusão e sonho, amargura e paixão, choro e riso, ódio e amor. Assim, quando nessa busca constante O vento te rugir e a chuva cair em massa, quando o céu te fugir e sentires o teu amor em desgraça, quando o arco-íris te mentir e a sua recordação ficar laça, lembra-tedo brilho divino que vislumbraste nesta promessa de amor eterno….Lembra-te Que o vento, a chuva, o cinzento do céu, o arco-íris, as tuas lágrimas, as tuas duvidas, todos eles fazem parte do mistério da vida. Lembra-te Como Pessoa, que: “O mistério das cousas? Sei lá o que é o mistério. Único mistério é haver quem pense no mistério.”Aí ergue os teus olhos para o firmamento e procura devagar, em paz, o caminho de regresso ao vosso arco-íris de mãos dadas com o brilho intenso e mágico (quase irreal) da mais nova de todas as estrelas do céu..." LC21/06/97

07/08/2007

Belmonte - mais um castelo

07/08/2007

Desculpem, mas mais uma vez, venho falar em Castelos! Eu sei que tenho falado muito de reis, rainhas, princesas e castelos! Mas que culpa tenho eu, se nestas férias o passado (do país claro, que as minhas origens são mesmo do povo) me perseguiu? Xacáver se não é mesmo assim:No Funchal foi as referências à imperatriz Isabel da Áustria, a Sissi, que andou pela Ilha por motivos de saúde, para não falar de outros que para lá foram, mas obrigados! Chego a Porto Santo, o que é que encontro? - A casa do Colombo. Depois, no continente foi sempre (ou quase) castelos por cenário: Castelo de Vide; Marvão; Estremoz e finalmente Belmonte e o seu castelo altaneiro. Só não tive castelos no Buçaco, mas tive um palácio! De qualquer modo isso é outros quinhentos!



O castelo de Belmonte está preservado, sofreu obras de reconstrução recentes, neste castelo, destaca-se pela sua beleza e elegância a janela geminada da época manuelina. Aqui viveu Pedro Álvares Cabral o “achador” do Brasil, um dos tais que “deu novos mundos ao mundo”. Outro facto curioso desta vila é a da sua comunidade judaica, que remota ao século XIII e que se manteve mais ou menos secreta até há bem pouco tempo! Não é uma lenda, existiu e ainda existe uma comunidade (única no mundo) criptojudaica e que neste momento pode rezar sinagoga. Esta comunidade surgiu da necessidade de praticar a religião judaica de forma secreta, devido às perseguições da inquisição. O museu Judaico de Belmonte merece uma visita, está bem organizado e ajuda a esclarecer alguns aspectos mais ou menos secretos e do povo judeu e da cultura judaica . Pelo espólio do museu é possível perceber as profissões e os nomes mais frequentes desta comunidade. A sua persistência religiosa deste povo está aqui bem demonstrada (o museu mostra um Memorial às vítimas da Inquisição) . Come-se muito bem (ou não fosse comida beirã), e não muito caro, a malta comeu (pois, dai os tais 3 kls!) divinamente, mesmo em frente ao castelo, num restaurante muito simpatico.




Menorá

2 diga lá:

amora disse...

Ena amiga, passeaste mesmo muito e por locais ricos em história! Isso é que foram umas férias cheias!

beijo grande

Maganita disse...

Cada vez que cá venho aprendo mais alguma coisa!
Foram sem dúvida umas ricas férias.
Estou a adorar a reportagem fotográfica.

Beijinhos

 
Design by Pocket