"...nem todos os dias são dias de olhar feliz. Estes dias raramente nos são oferecidos (daí o seu mistério) e quase sempre têm de ser construídos, desenhados, conquistados. Nesta procura do sentir a alma plena dos reflexos doces destes dias de olhar feliz, a vida, a nossa vida, mistura dor e alegria, sofrimento e felicidade, desilusão e sonho, amargura e paixão, choro e riso, ódio e amor. Assim, quando nessa busca constante O vento te rugir e a chuva cair em massa, quando o céu te fugir e sentires o teu amor em desgraça, quando o arco-íris te mentir e a sua recordação ficar laça, lembra-tedo brilho divino que vislumbraste nesta promessa de amor eterno….Lembra-te Que o vento, a chuva, o cinzento do céu, o arco-íris, as tuas lágrimas, as tuas duvidas, todos eles fazem parte do mistério da vida. Lembra-te Como Pessoa, que: “O mistério das cousas? Sei lá o que é o mistério. Único mistério é haver quem pense no mistério.”Aí ergue os teus olhos para o firmamento e procura devagar, em paz, o caminho de regresso ao vosso arco-íris de mãos dadas com o brilho intenso e mágico (quase irreal) da mais nova de todas as estrelas do céu..." LC21/06/97

02/05/2005

Pensamentos

02/05/2005
Uma vez mais, querida amiga, sinto tanto a tua falta, só o facto de saber que estavas lá, (e tu estavas sempre lá), confortava-me, quando te procurava com o olhar e te via, sempre atenta, o meu coração ficava logo mais calmo, tinhas o poder de acalmar todas as minhas angustias, quando sentia falta de carinho, era só chegar perto de ti, e tu, estavas sempre pronta a confortar-me, a tua companhia em todos os momentos, era tão preciosa, quantos almoços e jantares foram partilhados pelas duas? Eu, nunca estava só, tu não deixavas, estavas verdadeiramente sempre, sempre lá! E os nossos passeios? Era um ritual, todos os dias íamos as duas passear, nunca eram passeios solitários, porque tu não deixavas, não bastava levar-te, tinha que brincar contigo, não querias saber se me apetecia ou não, vinhas para perto de mim com uma pedra na boca, e lá tinha eu que brincar, tinha que procurar outra pedra, ou um pau, para tu ires buscar, sempre com essa tua linda, cauda a abanar e com um ar muito concentrado.
Tenho saudades, mas principalmente sinto-me muito, triste porque aquilo que perdi com a tua partida, nunca mais vou encontrar, fazias parte do meu mundo, era um bocadinho um mundo só meu e teu, e agora, que partiste, um bocadinho do meu mundo também desapareceu, para tal como tu, nunca mais voltar. Perder-te foi sem duvida um grande golpe, as saudades e o vazio são muito fortes, precisava tanto de ti minha querida…….O que posso fazer agora! Por favor guia-me, tal com sempre fizeste!

4 diga lá:

Silvia disse...

Ela vai sempre continuar a olhar por si...lá no final do arco-íris.Bonita homenagem:)
Para si: http://www.indigo.org/rainbowbridge_ver2.html

IC disse...

obrigada silvia, ela é ainda o meu arco íris, a minha Inca faz de mim um ser humano melhor, faz-me acreditar no arcoíris!

Silvia Pedro disse...

Mas tem que acreditar sempre no arco-íris. É lá que estão também o meu Rex,o Rossi, o Napoleão, o meu muito adorado Lucky, a tomarem conta uns dos outros e à nossa espera. Pode ser um sonho, mas suavisa a dor da perda, em muito.

IC disse...

Sim, Sílvia, eu também acredito, que existe um céu para os nossos amigos de 4 patas, e espero um dia ir para perto dos meus.

 
Design by Pocket